Crescer dói?

A resposta é que em muitos casos sim.
Essa é uma dor bem mais comum do que se imagina.
É uma queixa comum, cada vez mais presentes nos consultórios de pediatria e algumas vezes chegando ate no Pronto Socorro Infantil, que sempre é fonte de preocupação para os pais.

O alvo são crianças na idade de 3 a 6 anos, com queixa de dores nas pernas, especialmente a noite.
O que é a dor de crescimento?
É uma sensação dolorosa recorrente, de variada intensidade e freqüência, podendo, as vezes, acordar a criança a noite, ocorrendo de uma a duas vezes por semana ou mesmo a cada dois meses.
Acometem preferencialmente os membros inferiores, principalmente em panturrilhas, atras dos joelhos e nas coxas e não são localizadas nas articulações. Nunca são contínuas ou persistentes, predominantemente se iniciam no final da tarde, mas também podem surgir ou adentrar a madrugada e, na imensa maioria das vezes, cedem na manhã seguinte. É extremamente importante salientar que não há um “ponto específico” constante de localização da dor e, enfatizando, não são articulares. Não são acompanhadas por febre ou qualquer outro sinal ou sintoma.

O que deve-se observar na criança?
A dor deve ser um sintoma isolado!
Se ocorrer, além da dor, inchaço, vermelhidão ou aumento de temperatura nos locais referidos, é importante relatar ao pediatra, para que avalie o quanto antes.

Quando se pensa em dor de crescimento a criança deve ter aspecto saudável e ao exame físico não se detecta nenhuma anormalidade. Mesmo com a história clínica e exame físico já descritos, o pediatra pode solicitar exames laboratoriais, como radiografia em duas posições do local das dores, se não forem difusas e definirá, para cada paciente, se outros exames serão necessários. O esperado é que todos os exames solicitados não apresentem nenhuma anormalidade. Caso haja qualquer alteração, seja ao exame físico ou nos exames, o diagnóstico de dores de crescimento deverá ser imediatamente reavaliado e serem consideradas outras hipóteses.

Quais são as causas?
De causas ainda não bem definidas, algumas teorias são mais aventadas, como isquemias ósseas transitórias, micro traumas e fadiga muscular.
Outras teorias afirmam que são devido ao crescimento ósseo acelerado, vindo a sobrecarregar os músculos e tendões. Porem para isso não ha comprovação cientifica.
A teoria da fadiga muscular, alega ao excesso de atividade física e brincadeiras ao longo do dia, que pode ser agravado pelo estresse, comum em períodos de provas escolares ou de conflitos emocionais e familiares. Há, ainda, a desconfiança de que o sintoma seja hereditário, já que a maioria dos pais de crianças como problema também o encarou na infância.

O que é consenso é que o quadro é autolimitado e sem repercussão para o desenvolvimento da criança.

Como aliviar essa dor?
Uma pesquisa conduzida pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo revelou que o acolhimento é eficaz em 80% dos casos. Ou seja, basta conversar com seu filho, tranquilizando-o, enquanto faz massagens com óleo ou creme hidratante ou de massagem e, a seguir, aplicar uma bolsa térmica ou compressa de água morna na região dolorida. Quando essas medidas não funcionam, pode-se recorrer a exercícios de alongamento, preferencialmente orientados por um fisioterapeuta, além de natação, que é uma atividade de baixo impacto. O objetivo é reduzir o número de episódios dolorosos e evitar o uso de medicamentos. No entanto, em situações raras, o pediatra pode prescrever analgésicos caso ele julgue necessário.

Como diferenciar a dor do crescimento de um problema mais sério?
A dor do crescimento não desencadeia febre, inchaço, vermelhidão, perda do apetite, apatia, cansaço, nem leva a criança a mancar. Na presença desses sintomas, é preciso procurar o pediatra ou um ortopedista para investigar possíveis doenças ortopédicas, inflamatórias ou até mesmo a presença de um tumor.

Na dúvida: procure o médico especialista.

Dra. Milane Miranda ��
CRM-MA 6066

Atenção: ⛔️
Conteúdo exclusivamente de caráter informativo e educacional.
Post não substitui consulta! Procure o seu pediatra!